[ editar artigo]

Temor

Temor

Sinto-me doente,
o meu coração tem falhas,
anda carregado,
já não pulsa como um dia pulsou,
paira em silêncio,
minha alma emerge sobre um corpo falido,
falecido.

Eu vejo meu ar indo embora todas as vezes que meu corpo descansa sobre meu lençol azul,
o meu espírito não reage,
aquieta-se,
as emoções se vão quando um amor esbarra sobre o meu olhar desatento e um sorriso forçado se escapa.

O meu caminhar tem preguiça de me direcionar pelo caminho correto e eu tenho medo que a estrada seja curta ou longa demais,
medo de não aproveitar o que me é proveitoso,
medo que o tempo se feche,
pois à muito, ando sem teto,
desprotegida,
já foram muitas as tempestades que aqui passaram.

Eu temo não chegar a tempo,
pois,
ando fadigada e o descanso me tem sido curto.

Literatura

EternizArte
Francy Guedes
Francy Guedes Seguir

Me chama Francimara, sou poetisa, meus amigos e familiares me chamam de escritora, mesmo eu ainda não me considerando uma, recentemente eu escrevi um livro chamado UM CACO DE CADA VEZ, o livro está à venda através do link no meu Instagram.

Ler conteúdo completo
Indicados para você