[ editar artigo]

Súplicas ,que padecem em uma noite surda

Súplicas ,que padecem em uma noite surda

 

 

Na pequena trilha em trevas,ao som de uma matilha,
flamas em quebrantos,cintilam o transpor transpirado da prata punhal em mãos.
O mistério canto da bruma,vela,
o perdão que se rende a um amanhã de esperado encanto colossal;ante a exsanguinados rogos em vãos.
Súbitos jazidos imaginados em chãos;ás travessias de cunhos Bestiais.
Lembranças clamadas...,a emissários residentes Celestiais.


Noite,de chifres em brasa...;
de vozes ofertadas,a uma mente e ás vestimentas de garbo cifres.
Os douros Estelares,aparentam...,
exprimidos ditos vulgares.


Aonde estão,as proteções do Destino e ,seus benzidos colares?
Esse limbo lânguido,do qual seu assédio,
nos mata,com seu fundo cair...;
então...,
dou a Face,a esse abismo nédio.



O veludo dos instantes,
tingem..,as padecentes coragens de gigantes.
A maldição das vidas,são,tempestades eclodidas,
em um brande de feridas.
Vai..., Noite.
...me escoltas,com seu assomo,
ao meu medo,que fora entregue a Ti.
Com pedidos e ,um dedicado nomo.
Desças... Lua.
...fite os meus olhos.

 

 

#Poesia #Concurso #PoiesisEternizarte

 

Literatura

Ler conteúdo completo
Indicados para você