[ editar artigo]

O sabor do ponto final

O sabor do ponto final

 

Provo, porque as palavras fluem.

Como doce néctar escorrem,

em suculentas gotas de advérbios,

mas engasgo-me com impropérios

que amargam o meu degustar.

 

Provo, porque as palavras fluem.

Coquetéis de frases inteiras

consumo até a derradeira,

embriago-me de tal maneira

que me perco entre saideiras.

 

Provo, porque as palavras fluem.

Sorvo, até os textos que contesto,

pois, palavras são drinques,

suaves ou não, que aprecio,

os quais não canso de deleitar.

 

Provo, porque as palavras fluem.

Líquidas, pela garganta vertem,

algumas resistem outras divertem.

No fim, todos provam, afinal,

nada como o sabor do ponto final.

Literatura

EternizArte
Helio Valim
Helio Valim Seguir

Alguém interessado em usar a poesia como uma crônica poética do cotidiano, com realismo e imaginação. Com mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Mestre em Engenharia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você