[ editar artigo]

Nuances escalpadas

Nuances escalpadas


O garboso vento que entremeia o milharal,
doma as verdejantes folhas em um dobrar compassado;
descrita,como uma ensaiada coreografia de cunho magistral.

As espigas...,em um quase descalçar de chamada natureza,
mostram sua beleza, em douro ao Sol;
que ilumina suas ostentadas madeixas pardas,
de escovadas encomendas,ante uma visitada realeza.
Com toda certeza,pouco há, tal cravejado,
de berço assim;abençoado.


Então...,
por que choras,nobre espantalho?
Se ao seu redor,somente riquezas em seu valho.
Confiança dada em seu trabalho.
Serias...,a solidão?
Aquela ingrata e devassa manifestação?
Que nos oprime,como um verme sem idealização?


O seu olhar ao asfalto que entorta,
devido ao calor que o desfoca;
...tudo,é xantofila hoje.
Um poje desgrenhado,
...sem cuidado.
Talvez,o vir da chuva,
o anime um pouco;
com um cinza...,
sem todo este ourar ranzinza.

 

Literatura

Ler conteúdo completo
Indicados para você