[ editar artigo]

Luz que alveja

Luz que alveja

 

No rio, a lavadeira

a quarar a roupa,

aguarda pelo sol

que não a poupa!

 

Luz que a roupa alveja,

também, castiga o dorso

daquela que ao sol almeja

e cobra dedicado esforço.

 

Na pedra, a roupa alva

enxaguada pelo regato,

reflete, com toda a calma,

tão generoso regalo.

 

No vento, a roupa a secar

banhada pela luz solar

agarra-se sem descansar

ao seu desejo de alvejar

 

O brilho que a transforma

cobra calejada dedicação

daquela que se conforma

em resignada devoção.

Literatura

EternizArte
Helio Valim
Helio Valim Seguir

Alguém interessado em usar a poesia como uma crônica poética do cotidiano, com realismo e imaginação. Com mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Mestre em Engenharia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você