[ editar artigo]

Isolamento

Isolamento

Ando tão carente
de gente 
Que tô quase 
indo pra rua 
abraçar os
desconhecidos
Sim, no plural
Só abraços coletivos
Entendo
Os loucos
Que lotam os bares
E arriscam seus familiares
Por um centavo
De ajuntamento
Nunca gostei tanto
Dos colegas de trampo
Até os mais bisonhos
Me aparecem nos sonhos
Dizem que não há 
alucinógeno melhor
Que a carência
Sinto uma overdose
Me tomando em cadência
Estou farta de isolamento
De falar sozinha escrevendo
Desse mundo de curtidas
E corações simétricos
Pessoas tão breves 
quanto seus stories
Ando tão precisada
De voz
Que vou mandar avisar
A partir de agora
só aceito áudio
Ando cansada
de perfis verdes
Sem assunto
Ando tão offline
Hoje não vou postar
Vou ficar quieta, silente
Ando tão carente

Literatura

EternizArte
Fabiana Amorim
Fabiana Amorim Seguir

Às vezes sou estrela Às vezes peregrina Sou também vento E, por vezes, Brisa leve De vez em quando Tempestade Mas, Em raros e bons Tempos me torno flor

Ler conteúdo completo
Indicados para você