[ editar artigo]

COM SOFREGUIDÃO

COM SOFREGUIDÃO

COM SOFREGUIDÃO

Bebo como morresse já de sede
Os beijos que t'escorrem pela boca.
Enquanto tua língua me provoca,
Promessa de prazeres me concede.

Se, nas noites do Norte, n'uma rede 
Meu corpo no teu corpo se desloca,
Amo até entender minha mente oca:
Carícia que se quer e não se pede...

Tu, oásis no deserto atravessado,
Tens a minha sequidão dessedentado
Qual fonte generosa aos borbotões. 

Bebo como vivesse de teus beijos
Todo entregue à avidez d'estes desejos
Teu corpo no meu corpo em sensações.

Belo Horizonte  - 03 11 2020

Literatura

EternizArte
Ricardo CUNHA
Ricardo CUNHA Seguir

Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar. https://medium.com/@arqt.ricardoc

Ler conteúdo completo
Indicados para você