[ editar artigo]

Choveu!

Choveu!

 

A chuva fluiu,

a ponte ruiu,

a casa caiu.

             

Choveu,

           Hoje,

                    Um

                            Verdadeiro

                                        Aguaceiro.           

O rio transbordou,

o carro afundou,

o dia acabou.

 

Chorou,

           Humilde,

                    Um

                            Valente

                                        Altaneiro.

A vida parou,

a voz embargou,

a tristeza amargou.

 

Clamou por

           Humanidade

                    Um

                            Vigoroso

                                         Alentado.

O povo acudiu,

o socorro surgiu,

o brio emergiu.

 

Enfim, a chuva estiou,

e não carreou o humano valor

que ressurgiu serenando a dor.

 

Poema de alma concreta, buscando a sensação da água escorrendo, arrastando versos de acrósticos sob a chuva.

Literatura

EternizArte
Helio Valim
Helio Valim Seguir

Alguém interessado em usar a poesia como uma crônica poética do cotidiano, com realismo e imaginação. Com mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Mestre em Engenharia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você