[ editar artigo]

A urgência e a morte

A urgência e a morte

A urgência e a morte

Com o tempo sinto forte
Que mais a gente morre
E mais a mente abre
Pra tanta gente que sofre

Um friozinho na espinha
Reflete o que a vida  anuncia
Avisa  que a fila encurta
Alerta que a vida é curta

E corre daqui, espreme de lá
A urgência da vida não há de esperar
A carência da morte não há de tardar

E vc, o que há de pensar?
Será q vai dar tempo rezar?
As memórias se embolam num segundo
Espremendo da vida o sumo

Literatura

EternizArte
Fabiana Amorim
Fabiana Amorim Seguir

Às vezes sou estrela Às vezes peregrina Sou também vento E, por vezes, Brisa leve De vez em quando Tempestade Mas, Em raros e bons Tempos me torno flor

Ler conteúdo completo
Indicados para você