[ editar artigo]

A umbilical forma da sombra

A umbilical forma da sombra

Seu agora fado Espectral,
geme,em uma penumbra notívaga e umbilical.
Risos,que padecem em uma bruma evocada.
Noite de assopros gélidos,
acalentada pelas finas garoas pálidas que muram visões á frente.
O apoiar em delírios,
de uma consciência,em outrem fito,
ausente.


Fatos não visionados,
em objetos espelhados.
O berço do fim;
em brancas luzes,
de suaves musselinas,
que adormecem com o rogo de prometida Estrela d'alva,


Ensalma,cura e caminhos,
a se aufeir,com Anjos ou Demônios meirinhos.
A carne agora, sem seu reverbero,
cintila seu desespero.
Em mementos ,de um tumbal em aroma sazonal.
A quem se encontra agora,em inacreditáveis deslumbramentos.
 

Literatura

Ler conteúdo completo
Indicados para você