[ editar artigo]

Sinto muito Brumadinho

Sinto muito Brumadinho

Mais uma vez...
Antes que Mariana e toda Minas tentassem se consolar...
Aquela lama assassina, volta a atacar.

Vidas inocentes..
Novamente pagam pela ganância,
E a natureza sente...

Prossegue gemendo o rio Doce,
Hoje chora o Paraopeba,
Mães que perderam seus filhos,
Filhos que perderam seus pais,
Choram famílias inteiras...
Uma dor que não passa jamais!

Procuram seus entes queridos,
entre prantos e gemidos,
Ainda sinto Mariana,
Sinto muito Brumadinho! Sinto muito meus queridos!

Mais ainda por saber,
Que nada posso fazer,
Além de torcer pra ver,
A justiça acontecer.

Mas a justiça do Brasil?
Só funciona pros grandões,

Me resta o nó na garganta,
Os olhos marejados,
Por prever que diante dessa tragédia,
Culpados serão poupados,
Dirão que foi acidente,
Pagarão indenização...

Mas e a vida cidadão?

Não tem dinheiro que pague,
Não tem recuperação.

*Amanda Quintão( escritora)

8 de fev de 2019 

Concurso Poiésis EternizArte

EternizArte
Amanda Quintão Vitor Morais
Amanda Quintão Vitor Morais Seguir

Professora, bibliotecária, escritora e contadora de histórias. Três livros publicados, membro da FEBACLA entidade que outorgou- lhe o titulo de personalidades Cultural de 2020. Natural de Osasco SP, residente em Cordeiro de Minas, Caratinga MG

Ler conteúdo completo
Indicados para você