[ editar artigo]

QUANDO CHEGUEI

 

 

Quando cheguei bati, o portão rangeu,

Lá dentro um riso abriu. Chamei: “sou eu! ”

Estava, pois, no seu melhor abril;

Nos prevenimos de um acaso ardil.

 

Ameno em seu feraz jardim floria

Um verde gaio botão que já se abria;

Tinha o viço febril da juventude,

Apta ao voo em alçada plenitude.

 

Flácida, feminil, parda, meio pálida,

Despontara o fervor de sua crisálida,

Uma rota não fora inda explorada,

Toda uma geografia assaz delicada.

 

Firme a maturidade inaugurou,

E toda a suavidade ali ficou.

Um disco de Gardel, fi-la rodar,

Eram juras de amor, pus-me a sonhar.

Havia o que construir, a fazer ninho.

Cantar a vida, vida passarinho.

 

Quando cheguei a rosa, já era flor,

E em ziguezague, eu era um beija-flor.

Voamos ao longe, voamos entre a flora.

Encantamos o mundo vida afora,

 

É o que diz este canto de venturas,

Que era o conto de nossas travessuras

Apenas uma lenda apetecida,

Mas feliz porque se sonhou na vida.

 

Era o nosso viver, nossa alegria,

Os nossos sonhos, quanta fantasia...

E a nossa primavera foi-se embora,

Procuro no horizonte aquela aurora.

 

Antônio Fernandes do Rêgo

#Poesia #Concurso #PoesisEternizarte

Concurso Poiésis EternizArte

Ler conteúdo completo
Indicados para você