[ editar artigo]

MEU LUGAR

MEU LUGAR

 

- Coff, coff…Ôtchim!!!

- Chega de sofrer assim!

Neste frio, não quer ficar?

Então, já mostro outro lugar bem quentinho e aconchegante;

pacato e complicado, freguês,

mas com tanta história e tanta riqueza para você explorar,

tanta coisa que nem eu sei.

Posso sentir que já está curioso, curiosa...

Qual nada! Não digo uma palavra.

Só vou te dar pistas. Use sua mente criativa e adivinhe se puder e quiser:

Desça a serra. Pombas! Que calor! Meu ouvido tapou!

Vire a curva, logo à Torta; veja os Patos eletrificados.

Suba mais um pouquinho.

Humm! Agora, entre devagarinho...

De um lado e do outro, casas e gentes.

E não seja exigente que tudo se ajeita.

Não existe centro histórico nem muita novidade.

Há pouco investimento no seu potencial, mas não se desanime,

pois não nos falta poesia, música, alegria e arte.

Ainda não sacou? Última chance...

Há um rio que corta o chão,

que faz bater cada coração

e leva mistérios sem conta.

De morte em morte,

de vida em vida,

o povo se nutre de e-s-p-e-r-a-n-ç-a.

Já sabe qual é?

Ora, é meu lugar,

minha vida:

ANAJÉ!

Concurso Poiésis EternizArte

Ler conteúdo completo
Indicados para você