[ editar artigo]

DESIDENTIFICAÇÃO

Eu sonho, como sonha uma menina.

Com olhos de quem quer ver longe,

Mas, ainda só enxerga a neblina.

E sofro como mulher,

na dor de só sonhar o que quer, de poder ser como se é.

Sonho com mundo de iguais.

Onde o sexo, a cor , o trabalho e o amor, também, 

tenham pesos e valores sempre iguais.

Quero a liberdade de fazer do sonho a realidade.

De atirar ao longe a maquiagem,

Ter meu cabelo solto ao vento. meu corpo com seus próprios contornos.

E me vestir como manda a minha alma, sem que eu seja violentada.

Quero que o valores sejam humanos.

Que a beleza seja urbana.

Não quero ditaduras.

Quero me completar na visão do outro,

e, não mais, me encaixar em padrões toscos.

Nao quero me sentir incomodada,

nem nunca icomodar o outro.

Quero o respeito de uma vida única.

Não sou seriada, não quero ser rotulada.

Ser uma mulher de vida roubada.

Quero apenas viver minhas lutas,

me sentir absoluta.

Poder colher do meu trabalho,

e, não ser vista como regalo,

Por qem se conduz pelo falo.

Não quero precisar mentir.

e, muito menos,

ter que sempre me reprimir.

Recuperar-me na mimha própria jornada

Se assim me permitir,

Muito obrigada, de nada.

#Poesia #Concurso #PoiesisEternizarte 

 

Concurso Poiésis EternizArte

EternizArte
Leci Rocha
Leci Rocha Seguir

Sou aquela que ainda persegue sonhos. Que se encanta por miragens. A que vê a humanidade como um corpo indivisível. A que acredita que o futuro venha trazer respostas. E que a vida é algo que nunca se esgota.

Ler conteúdo completo
Indicados para você