[ editar artigo]

wabi-sabi

wabi-sabi

voo como se já ido fosse
num sopro doce e mergulho no ar
a carne feito verbo, um verbete
onde o outro vê carniça
eu vejo um banquete

não teme a morte o que asas tem
como um navio no mar do céu
sem leme, porém
o túmulo é seu porão
se por outro morto é que o morto se enterra
nas palavras do Cristo
só pelo outro é que existo
por isto, não lhe faço guerra
sobre o mesmo chão

em cada ver, o olhar distinto
o inchaço da pele e chacina
em cada narina, um cheiro
que discrimina primeiro
aquele a que se destina
e como que por instinto
repele por toda a derme:
dormirá por todo o sempre
e o que as aves não devorem
devorará qualquer verme

 

(Arte: Lucas Lidke)
#Poesia #Concurso #Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você