[ editar artigo]

Um embondeiro sensível

Um embondeiro sensível

És um embondeiro sensível 

Delicada em seus toques

Dás graça ao mundo

Tu mulher, és um embondeiro secular

Não há duelo que te derrube

Nem vento que te faça bailar

Tu és a fonte de energia 

A cura sem efeitos adversos 

Tens o dom de nascer o que ainda não morreu

És um embondeiro inabalável 

De pele aveludada enfrentas a fúria de um céu mal humurado

Que chora feito criança birrenta engolindo soluços, vomitando gritarias

És um embondeiro gigante

Numa terra deserta de compaixão 

És o suporte de uma nação 

Sem noção

És a inspiração das estrelas adormecidas

Num céu vazio.

 

#Poesia#Concurso#Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você