[ editar artigo]

TESTEMUNHO

TESTEMUNHO

TESTEMUNHO

Viver sem perceber sequer que vive...
Parece ser a esfera irrefletida
De quem como eu passara toda a vida
Negando que estivesse n'um declive:
-- Lembre-se qu'eu também aqui estive!

Não terá sido inútil o que obtive
Com tanta luz frustrada de saída.
Minha miséria é coisa conhecida...
Condenada por muitos, inclusive!
-- Lembre-se qu'eu também aqui estive...

Quem sou? Em que me livre; em que me prive,
Tão-só me desconheço em minha lida.
A existência, uma sarça consumida
Da qual apenas cinzas me retive...
-- Lembre-se qu'eu também aqui estive!

Diga-me, quem comigo mais convive,
Pois ando sem saber quanto valida
A caminhada vã logo cumprida
E enfim desapareça no que tive...
-- Ou esqueça qu'eu também aqui estive.

Betim - 30 06 2020

EternizArte
Ricardo CUNHA
Ricardo CUNHA Seguir

Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar. https://medium.com/@arqt.ricardoc

Ler conteúdo completo
Indicados para você