[ editar artigo]

Teia, ou o manifesto dos Inconformados.:

Teia, ou o manifesto dos Inconformados.:

 

a era das heras nos muros
a era das caras nos muros
a era da Hera, tão deusa
a era da hora impossível
a era do ora isso, ora aquilo...
a era de minha Ariadne?
meu fio, meu filho, teço e peço
que não se desfaça no vácuo!

cansei das palavras
mas elas são incansáveis
em mim;
amaldiçoam minha horta
com tantas pragas,
mas já decidi
veneno não uso
veneno não posso usar
pois nem somente pragas
as há.

a era dos extremos
a era dos externos
a era dos engodos
no lugar dos visigodos
outra bárbara campanha!
a era sísmica, a era cósmica?
a era já era? - quem dera
não fôssemos esse vácuo!

e a primavera
insistindo em flores!?
- demasiado luxo
para tais amores,
mas não há somente pragas,
não há somente pragas...

não convém te dizer,
mas a mim não me cabe o sim nem o não;
a mim não me cabe nada
só transpiro, nada mais:

e do meu suor recai o frio
com o qual condecoro-me
deus no deserto dos deuses!
(mas isso é da parte das pragas)
quando não mais, filho e filha,
pois pulsa o teu futuro e a minha morte
traga-nos flores
novos amores
e que teu choro crave na roda do destino
a Nova Era,
se era pra ser assim.

 

#Poesia #Concurso #Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você