[ editar artigo]

Sorrisos que matam

Sorrisos que matam

Pânico,fobia,amedronto,o desonrar do São.

Nada culmina,a gosto-espera do bonançoso.
Tudo proclama ,espasmos e pensamentos sem desfecho.
O sorrateiro gélido.
Em meu ofegante adio do possível Destino,o Encontro à Lâmina do já ensanguentado .

Sussurro Final;á fuga do Orgasmo assassino.


Em sua "reluzente cobiça",minha destreza para com seu "Coito interrompido".


Sua prenuncia desígnio,minha evasão para o remanescer.

O Hediondo dos Medos;a caça da corpo Alma.
Em uma noite Noite da "Corrente engraçada" ,do meu apressar-minha condicionada percepção da existência.


..achar-se-á ,vida.
Encontrar-se à.

 




Vieram...
"Empalhaçados"

..."Rostos Fantasmizados."


Á primeira vista,pareciam mesmos,em personagens festivos ;gozadores.
Felizes da travessura.

Sarristas.

Bem-sonantes...,derretidos da bondade.


O Metal cortante,reluz ,como uma vela em meia-luz..

Hoje á noite...,é a noite dos sorrisos que matam.
Das retóricas  em sangue.

 

 

 


Lenhas de ossos,não queimarão,mas os atiçadores de fogo,os brasarão.

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você