[ editar artigo]

Seu moço,eu esse Rio

Seu moço,eu esse Rio

O "sinhô"me da licença
pois lhe digo com tristeza
de águas claras e beleza
o homem sem clemência
destruiu sua natureza


trouxe pontes, senhorio
fumaça e sociedade
deixando pra quem viu
ao lembrar daquele Rio
só lamentos e saudades


quem passa não imagina
hoje sujo com mau odores
sim,aquele Rio um dia
já foi fonte de alegria
e renda de pescadores


pra construir a tal empresa
evacuaram nosso barraco
hoje à beira da represa
sobrevivo com nobreza
bato massa e ergo saco


o "dono" que manda aqui
do Rio nunca desfrutou
Eu que no Rio cresci
tenho que fazer sorrir
quem no Rio jamais pescou


lhe pergunto encafifado
que seja eu mal informado
será preciso minha gente
o homem pra ser decente
destruir meu Rio Amado?


não se compra mar nem céu
quem trabalha não ordena
assinando um só papel
derramando seu tonel
deram fim na'água amena


utilizou o Rio inocente
depósito de seu restolho
o doutor inconsequente
fez verter outra nascente
Não do Rio,sim de meu olho


vou cumprir a minha sina
vou tentar me aposentar
quem sabe no fim da vida
eu consiga uma casinha
e um riozinho pra pescar


Escrito por :Fe Gallacci



TAGS

poema

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você