[ editar artigo]

Relógios sem pulso.

Relógios sem pulso.

Seus olhos
de gato siamês.
Suas mãos pequenas.
Tudo tem um pronome pra dor.
Quando não é a cerveja, são belas silhuetas.
Tudo tem razão pra acontecer
e deixar de ser.

Simplesmente, 
agora com mais idade que adquiri,
entendo que não podemos mover nada a favor de nós.

Os veleiros andam pra onde o vento leva,
e tudo que me veio à favor me trouxe contra as pedras,
contra as paredes de cimento cinza.
Me encheram de areia os bolsos e pés.

Me afundaram junto a baús cheio de vento e nada.
E o nada é o suficiente pra qualquer um querer virar as costas,
se mandar de qualquer lugar 
que haja pessoas ao redor.

Aqui, comigo,
canto canções de solidão,
um dia fosse tudo tão claro,
poderia olhar pra essa janela ao amanhecer,
e ver como tenho sorte por ainda respirar.

Com o tempo que me desprovi,
dando corda pra algo inevitável. 
Pra minha altura, pro meu corpo oscilando,
temos algo que nunca vamos poder mostrar
por ter escondido de todos: quem somos de verdade.

Quando descobrirmos quem queríamos ter do nosso lado, a todo o tempo,
já vai ser tarde, os respingos e suspiros dados nesta tarde, 
serão o suficientes
pro relógio ver que é tarde.


@hudsonhenrique
Da obra: Somos todos anjos...

EternizArte
Hudson Henrique.
Hudson Henrique. Seguir

Hudson Henrique. Escritor e compositor brasileiro. Ganhador do primeiro concurso EternizArte, com o poema "Assoprando dentes-de-leão contra a tempestade". Site oficial: www.hudsonoficial.com Aonde me encontrar: https://linktr.ee/hudsonhenrique

Ler conteúdo completo
Indicados para você