[ editar artigo]

Quasimodo

Quasimodo

adonai, Adonis.
prostram-se de joelhos em teus pés
abra a boca e comerão cem uvas
honra teu rímel e saberão seus dias
observam teu rosto e pedem: me ame.
adonai, Adonis.
belos são o rosto, o corpo e os óculos
enxergam e tapam ouvidos, não culpo.
se tu corre em slow motion, vibram
e ai de quem ousar dizer que não quer.

ai, Quasimodo, eu ando corcunda
tropeçando em passos de pernas de chumbo
cara absurda, feia e turva,
e nem flor na cabeça faz passar o engodo.
ai, Quasimodo, que diria eu?
apenas recordo canções de dormir
e mesmo com aplauso, eu deito sozinho
toda noite eu vejo o espelho caindo.

ai, Afrodite, que mal te fiz?

#Poesia #Concurso #Etenizarte

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você