[ editar artigo]

Promessas pra se curar de novo no ano novo Ou Receitas pra adiar o seu fim:

Promessas pra se curar de novo no ano novo

Ou

Receitas pra adiar o seu fim:

 

É que um chá de boldo cura o estomago

Tanto quando um banho de manjericão cura a alma.

Também dá pra curar a alma

Numa boa conversa com amigos,

Tomando banho de mar,

Rezando um terço,

Recebendo um passe,

Chorando e só,

Meditando tipo o Buda - ou menos,

Ou orando pras alma bendita.

 

Marijuana deve curar também

É que pra mim não deu tão certo

Mas fica esperto que na dose certa

Um banho de cerveja também cura.

 

É que viver é um baguio que dói mesmo.

É perda:

Uns tios pro câncer

Uma amiga num acidente,

E alguns parceiro pra polícia

Perder metade do dia num trampo que odeia

E metade da sua vida se arrependendo por não viver um sonho

Perder afetos por medo da perda

Perder paixões pra um armário

Perder um grande amor pros trauma

E por medo de errar

Perder a própria alma.

 

Perder um emprego,

Na décima tentativa de arrumar um,

Perder as armaduras,

Perder o norte, o sul, um sim.

Se perder de si.

 

Viver é um baguio que dói mesmo

E eu já perdi as contas de quantas vezes eu disse isso.

 

Mas banho de camomila acalma a alma

Como um chá de melissa acalma o corpo e a vida.

 

E se for preciso cê vai lavar, de novo, o rosto

Nas águas sagradas da pia.

Lave quantas vezes for preciso, 

Ergue a cabeça, bandido.

Nem sempre vale a pena tá vivo

Mas em algum momento valeu

Se apega nisso.

 

Que o silêncio também é oração

E existem forças que sempre te ouvem quando você reza.

Então toma cuidado com as palavras

E mais ainda com os pensamentos.

É que cair de vez em quando faz parte

E viver é as vezes cair quando já está caído.

 

E chá de canela de velho cura dor no corpo,

Como um banho de alecrim deixa feliz,

Como um chá de gengibre cura gripe e chá de alcaçuz a rinite

E as vezes não tem nada que cure a vontade de desistir.

 

Mas arrisca

Uma roda de samba

Uma gira

Uma missa

Um bar

Um banho demorado

Um tecnobrega

Ou o que cê gosta de escutar.

Uma música triste

Ou um 150 bpm,

Uma consulta na psicóloga,

Uma benzedeira,

Um banho de ervas,

Um dia sem compromisso.

Qualquer coisa

Pra não desistir de tá vivo.

 

Quando a fé fraquejar, lembra:

Que existir machuca

Mas viver cura.

 

E sua existência é muito maior que tudo isso.

 

 #Poesia #Concurso #Eternizarte

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você