[ editar artigo]

PAPAI, ONDE ESTÁ A FLÓQUI?

PAPAI, ONDE ESTÁ A FLÓQUI?

A resposta mais difícil

Não depende da pergunta,

Mas sim dos olhos que fitam

Esperando a solução.

 

Da boca que me questiona

Um sorriso e um coração

Que ainda não chora a perda

Pois apenas sabe sorrir.

 

Luna olha pra foto e sorri...

“As patinhas bem dobradinhas né, pai?”

Sorriso que rasga a alma

Olhos que brilham estrelas.

 

“Papai, onde está a Flóqui?”

“Está por aí, meu amor.

Caçando baratas,

Subindo nas árvores,

Fazendo bagunça,

Miando em volta de alguém.

Por aí...”

 

Como explicar o definitivo

Pra quem mede o próprio o tempo

Pelo tempo que dura um doce?

Como definir o absoluto, o irremediável, o fim?

 

Sob as rodas de um carro

A roda do tempo parou.

Parou pra Flóqui que corria pela casa.

Mas não parou pra Flóqui

Que corre a memória de Luna,

Que mede o tempo com doces

E adoça o definitivo.

Rasga a alma com sorriso

E traz nos olhos estrelas.

 

“Papai, onde está a Flóqui?”

“Está por aí, filha.

Por aí...”

 

#Poesia #Concurso #Eternizarte

EternizArte
Leandro de Araujo
Leandro de Araujo Seguir

Estudante de Letras, apaixonado por escrever. Tenho um blog onde publico cronicas, poemas e contos. Aguardo a visita de vocês!!! Autor do livro "A menina que podia voar e outros contos", à venda na Amazon!

Ler conteúdo completo
Indicados para você