[ editar artigo]

Paninho

Paninho

Se pudesse eu amar aqueles olhinhos 
Que na chuva pisca a me olhar discreto
E que agora leve cai seu paninho 
Me levantaria dessa cadeira 
E pegaria olhando seus pezinhos. 

Que bela! A mais pura de todas as moças!
Picasso criaria a mais bela arte 
Ao olhar a entrelinha das suas coxas,
Viva! Que inspiração ele sentiria 
Das rosinhas meigas de sua roupa. 

Largado ao mundo, repito: É bela!
Faz até chuvas de inverno 
Cair e molhar os jasmins da primavera…
Deus a pensou desde Eva! 
E quando olhou tua face, chorando disse: É bela! 

Vai descendo o sol, volta então o céu, anjinho!
Abra tuas asas celestes longas 
E “parta” fazendo seu alvo caminho, 
Não se preocupe! Que terei lembranças
Do teu cheiro que ficou no paninho. 

Mas entro em pranto! Ora morro… Ora vivo…
Solucei, mas desesperado percebo, 
Se eu morresse agora, ah! O meu Destino...
Deus não me colocaria ao teu mesmo respiro
É que não valho seus lábios e deles seus beijos. 

Vai descendo o sol, volta então o céu, anjinho!
Abra tuas asas celestes longas 
E “parta” fazendo seu alvo caminho, 
Não se preocupe! Que terei lembranças
Do teu cheiro que ficou no paninho. 

#Poesia #Concurso #Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você