[ editar artigo]

o visitante noturno

ela dormia e, a dormir, não sabia

se sonho era ou se de fato acontecia

de a mão quente e estranha

a lhe acariciar os pés nus.

por isso, e porque a gostar estava,

ela deixou as mãos alienígenas

lhe subirem o tornozelo,

alcançarem o joelho,

e nas coxas se deterem, apertarem

mansamente,

até surgir a outra mão

que promoveu devagar  a separação das pernas.

ela tremeu quando além das mãos

sentiu que havia um rosto quente

a se encostar no tecido da calcinha

e o dono do rosto, que ela não via,

lhe sorvia o perfume.

Não se moveu quando ele

baixou o fino pano

e a buceta nua que encontrou

se pôs a beijar e cheirar

como se descobrisse a América,

a Terra Prometida, o Paraíso.

E não era só o lábio, agora também a língua

a profanava, entrava e ao retornar

desafiava o grelinho a se manter tranquilo,

mas molhada ela já estava,

já se contorcia,

a gemer na boca do desconhecido.

e ele, que já não suportava o desejo,

foi para cima dela

e já não importava se não era sonho,

ela deixou quando sentiu a cabeça inchada

a lhe roçar, a procura rápida

pelo ninho úmido

que dizia sim.

e ele sem esperar

enfiou o pau duro dentro dela,

fez a voz dela escapar

e o aaaaaa mais profundo fugiu

enquanto ela, penetrada seguidamente

pelo desconhecido sobre o seu corpo,

só fazia torcer

para estar acordada.

 

 

 

EternizArte
Guilherme Borges
Guilherme Borges Seguir

Português, amante da vida, amante da experimentação, amante dos sentidos. Correspondência: guilbox@sapo.pt

Ler conteúdo completo
Indicados para você