[ editar artigo]

O risco dela viver é menor

 

O risco dela viver é menor (Negra Luz)

 

Medo?

Não. 

É pouco.

Tenho pavor!

Eu já criei couraça. 

Já fiz das feridas escudos.

Mas minhas filhas... Nossos pretinhos e pretinhas? 

Nossos filhos nascem puros.

Eles acreditam.

Eles beijam e abraçam indistintamente.

Eles creem num mundo de iguais.

São uma tela lindamente pintada.

Voar com asas ou sem asas, para eles é igual.

O risco de viver é não viver!

Como ter coragem de lhes colocar armaduras?

Como despertar neles a dúvida sobre as criaturas?

Forja-los com elmos, pois o viver do preto é, sempre, passeio a beira de precipício de dor?

Não enxergo outros caminhos. 

Cada dia que um preto morre, meu mundo sangra também.

Quando uma criança preta morre, eu sangro... 

Poetizando, sim. 

Aprendendo mais, sim. 

Preparando-me para “sangrar” a ingenuidade da infância das minha negras. 

Prepara-las para serem negras nesse Mundo que aí está.

Haverão de, desde logo, saber que racismo mata criança negra...

Com pequenos ou grandes golpes, mas mata.

Com insistentes picadas, mas mata.

Com SARS- homo sapiens, mata.

E, além disso, enquanto eu viver, estarei vigilante... 

Sou mãe negra.

Não confio.

Não relaxo. 

E ficarei de olhos atentos não só na direção das minhas...

Onde há vida negra, o risco dela viver é menor!

#Poesia #Concurso #Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você