[ editar artigo]

O regresso nem sempre é uma vinda

 

 

 

O regresso nem sempre é uma vinda

 

O regresso nem sempre é uma vinda

Que torna ao lar que o abraça.

Há saudades de amor que o tempo lassa

E que permanecem ainda e ainda.

 

A ida para uma fuga que nos prende

Faz-nos ficar tristes e sorumbáticos

Como se o vento, nos seus coices acrobáticos,

Nos ciciasse que a compra também se vende.

 

E a solidão alastra e aborrece

Porque sabe que não é voluntária.

Mas, o coração é teimoso e pária

E nas recordações lembra o que viesse.

 

O regresso nem sempre é uma vinda

E um escape não soluciona a solução

Que está nas mãos de uma só mão

Que é tão simples como uma chuva linda.

 

Jogado  a um canto como um farrapo

Está o sentimento que é enorme

- Tolo de tolices disforme

Que te ama e que agora destapo.

#Poesia #Concurso #Eternizarte

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você