[ editar artigo]

O amor não é cego

O amor não é cego.

 

Tento imaginar, mas não consigo,

Tateio e desenho em minha mente objetos de diversas formas,

Sinto em minhas mãos a delicadeza dos detalhes,

Mas, e o amor que não tem medidas nem forma.

A forma de amar que dá aos olhos da alma um significado em mim,

O abraço, palavras doces de carinho são linguagens do amor,

A escuridão em meus olhos não refletem-se em minha alma.

Tateio para ir e vir,

Mas, meu coração sabe o Caminho que  leva a Ti,

Minha alma em tua presença,

Mostra ao meu coração,

Que a tua luz me faz ver,

Ver o quanto sou feliz por tê-Lo comigo.

Cegos são os que não enxergam,

Os pequenos  lançados nas calçadas,

Enfrentando o frio da noite sem nada entender,

Mulheres que se desdobram ,

Para ver os filhos sobreviverem à crueldade de uma sociedade.

Pai que rega o chão com lágrimas e  suor do rosto,

Em busca do pão que lhe é negado.

Doentes em lares destruídos que não buscam ao Senhor,

Confiam em si mesmos, esquecendo-se que há um Deus,

Que os acolhe, mas que não invade o espaço,

Deixa-se encontrar por aqueles que O buscam,

Concluo que os olhos da alma observam a glória de Deus,

Que a luz está em mim, e mesmo sem ver,

Sei que brilho nos olhos do Senhor.

 

 

 

 

EternizArte
Sergio Ricardo de Carvalho
Sergio Ricardo de Carvalho Seguir

Sociólogo, professor, escritor de temas diversos, desde drama, comédia a peças teatrais com personagens próprios, poeta e contista, amante da arte das escritas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você