[ editar artigo]

LONGE

LONGE

LONGE

Deixa-me partir, eu tão-só te peço.
Eu preciso ir para longe, deixa!
Onde não possa ouvir-te qualquer queixa
Ou mesmo este amor vão que te confesso.

E quando for seguro o meu regresso,
Como se ramalhete que se enfeixa,
Juntem meus versos à guisa de deixa
Àquela de quem ora me despeço:

--"Por quem és, moça linda, eu te suplico
Deixa-me partir, mesmo menos rico
Que o só que só pernoita sob a ponte."

"Para, à manhã seguinte, esteja eu diante
Da estrada que me leva então, errante,
A fim-de vislumbrar outro horizonte."

Betim - 08 03 2015e, deixa!
Onde não possa ouvir-te qualquer queixa
Ou mesmo este amor vão que te confesso.

E quando for seguro o meu regresso,
Como se ramalhete que se enfeixa,
Juntem meus versos à guisa de deixa
Àquela de quem ora me despeço:

--"Por quem és, moça linda, eu te suplico
Deixa-me partir, mesmo menos rico
Que o só que só pernoita sob a ponte."

"Para, à manhã seguinte, esteja eu diante
Da estrada que me leva então, errante,
A fim-de vislumbrar outro horizonte".

Betim - 08 03 2015

EternizArte
Ricardo CUNHA
Ricardo CUNHA Seguir

Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar. https://medium.com/@arqt.ricardoc

Ler conteúdo completo
Indicados para você