[ editar artigo]

Feira de feras

Feira de feras

Não  sou santo.                        Tão  pouco, ser demoníaco.         "Filho do carbono  e do amoníaco",                            como disse Augusto .

Já  é  agosto,                                     e eu ainda gosto                        de gastar tempo                              tentando  voar....

Mesmo não sendo Anjo.Há pouco tempo conheço o cheiro frio das manhãs intermináveis.
Tem sido instáveis os dias.
Agouros e agonias na tv
E eu prefiro ouvir música.
Ainda não sabemos o que será de nós, mas minha voz está ecoando.
Sigo soando qualquer coisa que me faça dormir em paz.

Há tempos
Que o desejo do não dito oscila, igualzinho o céu de Feira.
Da rede pra esteira.
Da sede pra inteira necessidade do abraço.
Em compassos lentos
Lido comigo mesmo.
Lindo como barco a esmo,
Vejo vento brincar com folhas.
As escolhas e carnavais são cantos dos pássaros que orquestram desafinadamente a existência entorpecida.
Ao longe, motores sujam o céu.

Não sei mais quanto tempo faz...
Os dias parecem iguais.
Navego na rede deitado na rede.
Vivendo entre paredes, sentindo frio e lutando contra muriçocas.
Um foco de luz lilás desfaz o dia no horizonte.
A noite vai ser gelada.

Ler conteúdo completo
Indicados para você