[ editar artigo]

Eu vi o Retrato do índio.

Eu vi o Retrato do índio.



Havia Pankararu, Fulni Ôs, Kapinawaras,
Os Atikum... Havia tantos  e tanta cor.
Havia Cultura, Pau-Brasil , sabiá e beija-flor.
Eram tantos resistindo, hoje, poucos existindo.

Eu vi Pajé curar Cacique,
Vi Oxossi guerrear na mata, gritando - Okê Arô!
Vi os caras vermelhas , os caras pintadas
Perderem espaço e o Urucum perder a cor.

Na beleza do canto eu vi o Toré
Saudar quem partiu e alimentar a esperança de quem ficou.
Vi a força da caça,
A imensidão do trovejar de Tupã.

E ao ver a Oca virar Casa, chorei!
As matas que vivem , ora as matam..
A história aos poucos amordaçada,
Vi todos ,lentamente, se esvaindo.
Devastidão.
Ontem vi o retrato de um índio
Sobrevivendo , resistindo...
Será que o Pajé também cura a humanidade?
Ou será que não haverá mais índio?

Emanuela Rufino.

#Poesia #Concurso #Eternizarte

 

 

TAGS

poesia

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você