[ editar artigo]

EPIDEMIA NEFASTA

EPIDEMIA NEFASTA

EPIDEMIA NEFASTA

 

É triste viver assim, dessa maneira...

Detido numa prisão sem estar cadeado

Ser livre e ainda assim um prisioneiro

Estar respirando e se encontrar afogado

 

Estagnado entre umas poucas paredes

Vendo o sol e a chuva através da janela

Algemado sem chaves em frente à cancela

Num cativeiro que se mostrou ser verdade

 

Dia após dia, tudo nos leva às lembranças...

Abraços, beijos e o carinho que não demos...

Das palavras e tudo aquilo que não dissemos

Chega à noite e oramos a procura da esperança

 

Essa pandemia maldita que assola o mundo

Que veio, se alojou, e fez muitos perecerem

Espreita a vida, até dos que não merecem...

Fez a humanidade, se esconder e ir ao fundo...

 

Que venha o bom tempo e nos faça reviver

Acabe de vez com essa epidemia nefasta

E que o amanhã nos traga uns dias de graça

Só desse jeito os homens voltarão a nascer.

 

MÁRCIO PAZ MARTINS

 

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você