[ editar artigo]

(En)lutar


O sol nasce no horizonte como de costume

Os voos dos pássaros permanecem os mesmos

Caem as folhas das árvores rotineiramente

 

O corpo pulsa seu fluido vital várias vezes ao dia

As pálpebras piscam ao som do existir

E os pulmões inspiram sem saber o seu fim

 

De repente, para

Interrompe

Um fragmento da natureza se desfaz

Como um nó

Vira fim

Vira pó

 

O sofrer nasce no horizonte como de costume

Os voos das lembranças, porém, permanecem os mesmos

Caem as lágrimas dos seres indiscretamente

 

O corpo não mais pulsa seu fluido vital diariamente

As pálpebras não piscam, pois não há existir

E os pulmões relaxam conhecendo seu fim.

 

A carne é passagem

O legado é eterno.

#Poesia #Concurso #Eternizarte

EternizArte
Elisa Soares
Elisa Soares Seguir

Estudante que ama poesia <3

Ler conteúdo completo
Indicados para você