[ editar artigo]

Dedilhando vibrações cósmicas

Dedilhando vibrações cósmicas



Enquanto tu dormes,
a hereditária angústia dos Homens,
dedilha em algures,feridos prantos acordes.

Verdadeiros feitos nobres.


Vós,que és fruto da fome de corpo consome,
nascera,deixado ao relento do recôndito Universo disforme;


querer que se faz sofrer.
prazer que abstém a mente,em breve fenecer.
 


Filho pútrido,da terra que há de te oprimir;
proclamas aos semelhantes,especial razão de existir.

Se virdes tua veraz conjectura,
dadivarás ao Cosmos,sua ínfima ruptura.



Agradeças,as horas musicais de candura.
Em nobre gesto de curvar-se,de um sucinto fulgura.

Ler conteúdo completo
Indicados para você