[ editar artigo]

Com Amor à Poetisa

Com Amor à Poetisa

 

Boa noite Poetisa!

Contempladora do sol a se pôr

Aprecia em sua face a brisa

E tem como inspiração o amor.

 

Com uma atitude delicada

E seu lápis na mão

Algumas vezes cansada

Põe-se a escrever com inspiração.

 

Com profundidade se expressa

Em toda a sua fragrância

Sem correria, nem pressa

Marca registrada de sua elegância.

 

E com graciosidade

Na passarela do seu caderno

Desprendida no tempo e na idade

Escreves algo que se torne eterno.

 

E com seu largo sorriso

Quando começas a escrever

Devagar, no improviso

Uma poesia a florescer.

 

Por fim, deleita-se em seus aposentos

Buscando adormecer

Reorganizando seus pensamentos

Pois amanhã, voltarás a escrever.

Com Amor à Poetisa

 

Boa noite Poetisa!

Contempladora do sol a se pôr

Aprecia em sua face a brisa

E tem como inspiração o amor.

 

Com uma atitude delicada

E seu lápis na mão

Algumas vezes cansada

Põe-se a escrever com inspiração.

 

Com profundidade se expressa

Em toda a sua fragrância

Sem correria, nem pressa

Marca registrada de sua elegância.

 

E com graciosidade

Na passarela do seu caderno

Desprendida no tempo e na idade

Escreves algo que se torne eterno.

 

E com seu largo sorriso

Quando começas a escrever

Devagar, no improviso

Uma poesia a florescer.

 

Por fim, deleita-se em seus aposentos

Buscando adormecer

Reorganizando seus pensamentos

Pois amanhã, voltarás a escrever.

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você