[ editar artigo]

Belos Mistérios

Belos Mistérios

Onde me manifesto… sou como o entardecer
Onde o vento passa ao silêncio da morte e as árvores vibram ao ver passar
Se não me manifesto… no nada tudo serei
E assim, serei como o alvorecer
Onde os pássaros cantam ao som da noite que se fez dia
E do sol que se fez presente
Desvirginando o horizonte de um mar inocente
Tal qual um beijo ardente da terra numa semente
Em que algo vem a germinar

Algo que habita e surge sem dogmas e sem preceito
Algo dentro e fora do seio da mãe que ainda não veio

Há de haver belos mistérios…

Belos Mistérios!

Na vida que a sorte é a morte
Que nos ensina a ensinar
Que nos prende ao aprender
Que nos condena a entender
Que entendendo hei de ser algo para viver

Se a vida hei de entender e entendendo hei de ser
Serei somente o entendido que um dia irá morrer

Como posso procurar?
Se na procura hei de achar a busca que nunca acabará…

O vento passa e não há de ser passageiro
Não se sabe se vem ou vai… porque venta o mundo inteiro
As árvores são intactas e o vento que passa as fazem balançar
As árvores não sabem por que balançam
Se intacta elas dançam
Quando o vento vem tocar

O vento que também nada sabe… apenas quando passa
Se bate com galhos, folhas e troncos de cada árvore

Onde se encontra o significado?
Se o significante é o valor do valor de cada homem ou de cada mulher

O chaveiro está diante da porta
Mas a porta não está ao chaveiro
Porque a porta nada mais vale do que a chave do porteiro

O porteiro é o escravo
O seu senhor o chaveiro
A porta é a prisão
A chave o prisioneiro

Eu Sou a Perfeição da Essência, denominado Absoluto!
Posso ser compreendido como a maior Beleza de todas as belezas!
O maior Amor de todos os amores!
O mais Alto dos altos e o Ser Maravilhosamente Maravilhoso

A forma arquetípica perfeita
Contida dentro do Todo e o Absoluto que constitui a Redenção Universal

EU SOU A CHAVE QUE ABRE TODAS AS PORTAS!!!
EU SOU O ÚLTIMO DOS ÚLTIMOS
EU SOU O PRIMEIRO
EU SOU AQUELE QUE FUI
EU SOU AQUELE QUE FOI
EU SOU AQUELE QUE VIM
EU SOU AQUELE QUE VEIO…

 

EternizArte
Jp Santsil
Jp Santsil Seguir

Onde me manifesto… sou como o entardecer, onde o vento passa ao silêncio da morte e as árvores vibram ao ver passar. Se não me manifesto… no nada tudo serei.

Ler conteúdo completo
Indicados para você