[ editar artigo]

A inconstância do meu ser

A inconstância do meu ser

Sou, mas não sou.
Porém, algo haverei de ser
Depois de mais uma xícara de café,
Depois de mais um verso que eu escrever.

Sou tudo, sou nada,
As vezes nem nada nem tudo.
Ora sou ordenada,
Ora sou parte do caos existente no mundo.

Outrora fui fria como o inverno,
Hoje sou quente como o verão,
Mas já não sei o que serei
Na minha próxima estação.

Dos gêneros textuais sou romance,
No entanto, outro dia fui carta.
Da natureza serei borboleta,
Mas ainda me encontro lagarta.

Já fui como a matemática,
Com completa exatidão,
Mas agora sou parte gramática,
Pois carrego o ponto de interrogação.

O que exatamente sou não sei,
Sei somente o que eu era,
Mas o que sou, amanhã já não serei,
Talvez eu me torne outono
Ou, finalmente, primavera.

Meu ser não é constante,
Exceto pela sua permanente mudança,
Pois mesmo sem saber o que sou nesse instante,
Sei que não sou a mesma de quando era criança.

E depois de ter transformado
O meu Eu em poesia,
Descobri que nada sou,
Nem nunca serei um dia.

Só agora eu consegui entender,
Depois que tanto tempo passou,
Que eu fui condenada ao não ser,
Pois não sou, estou!

#Poesia #Eternizarte #Concurso

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você