[ editar artigo]

A CARNE EM VOLTA AOS OSSOS

A CARNE EM VOLTA AOS OSSOS

A CARNE EM VOLTA AOS OSSOS

De repente, tudo é apenas dor.
Sem consciência ou memória, quem sou eu?
A carne em volta aos ossos... Prometeu
Acorrentado ao próprio desfavor!

Boneco de vudu, todo o terror
É o aguilhão ficado ao dorso meu...
É o pico no nervo. É o apogeu
Do corpo para d'alma ser senhor.

Doo-me. Logo, existo. Muito embora
Eu me doer à mente apavora 
E deixe de pensar para eu não ser.

Mas, sigo sendo mesmo não pensando:
Diante da dor aguda, quando em quando,
Sou carne machucada a contorcer.

Betim - 09 09 2020


 

EternizArte
Ricardo CUNHA
Ricardo CUNHA Seguir

Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar. https://medium.com/@arqt.ricardoc

Ler conteúdo completo
Indicados para você